REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

As referências bibliográficas aqui reunidas constituem-se por publicações cujo tema se relacione diretamente à cuíca, ou cujo conteúdo de alguma forma corrobore os propósitos do projeto Cuíca Expandida em nível teórico e conceitual.

ADORNO, Theodor W. Filosofia da nova música. São Paulo: Perspectiva, 1989.

ASSIS, Paulo Dulci de. Mapeamento da Informações Relativas à Cuíca (IRCs) Disponíveis em Fontes Bibliográficas. 2016, 187 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Música, Rio de Janeiro, 2016.

ASSIS, Paulo Dulci de. A cuíca na obra e no tempo de Heitor Villa-Lobos. In: Anais I Simpósio Nacional Villa-Lobos: obra, tempo e reflexos. 2015. Disponível em: http://www.festivalvillalobos.com.br/2015/wp-content/uploads/2015/09/11_PauloAssis.pdf

BAPTISTA SIQUEIRA. Estética Musical: ensaio científico. Rio de Janeiro: 1970.

BERENDT, Joachim E. O Jazz: do rag ao rock. São Paulo: Perspectiva, 1975.

__________________. Nada Brahma: a música e o universo da consciência. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAGE, John. Silence: lectures and writings. Wesleyan University Press, 2011.

CERVO, Dimitri. O Minimalismo e suas técnicas composicionais. Per Musi-Revista Acadêmica, 2005.

_____________. Minimalismo e Pós-minimalismo: distinções necessárias. DEBATES – Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Música IX, 2014.

COSTA, Rogério. Música Errante: o jogo da improvisação livre. São Paulo: Perspectiva, 2016.

D’ANUNCIAÇÃO, Luiz. Melódica Percussiva: norma de concepção para a escrita dos instrumentos populares brasileiros da percussão com som de altura indeterminada. Rio de Janeiro: Melódica Percussiva, 2008. (Manual de Percussão, v.V., Caderno 1).

DE FREITAS, Emilia Maria Chamone. O gesto musical nos métodos de percussão afro-brasileira. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

DE OLAZÁBAL, Tirso. Acústica musical y organología. Buenos Aires: Ricordi, 1954.

DO CARMO, José Roberto. Da voz aos instrumentos musicais: um estudo semiótico. São Paulo: Annablume, 2005.

FERRAZ, Silvio. Música e repetição: a diferença na composição contemporânea. EDUC-Editora da PUC-SP, 1998.

_____________. Deleuze, música, tempo e forças não sonoras. Artefilosofia 9, 2017, p. 67-76.

GIANESELLA, E. F. O Uso Idiomático dos Instrumentos de Percussão Brasileiros: principais sistemas notacionais para o pandeiro brasileiro. Revista Música Hodie, Goiânia, V.12 – n.2, 2012, p. 188-200.

GRIFFITHS, Paul. A música moderna: uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

HARNONCOURT, Nikolaus. O discurso dos sons. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

HENRIQUE, Luís. Instrumentos musicais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1988.

_______________. Acústica musical. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

JOURDAIN, Robert. Música, cérebro e êxtase: como a música captura nossa imaginação. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1998.

KARTOMI, Margaret J. On concepts and classifications of musical instruments. Chicago: University of Chicago Press, 1990.

KOELLREUTTER, H. J. Terminologia de uma nova estética da música. Porto Alegre: Movimento, 1990.

LEPPERT, Richard. The sight of sound: Music, representation, and the history of the body. University of California Press, 1993.

MED, Bohumil. Ritmo. Brasília: Musimed, 1986.

MENEZES FILHO, Florivaldo. A acústica musical em palavras e sons. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

NEVES, José Maria. Música contemporânea brasileira. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2008.

PIANA, Giovanni. A filosofia da música. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

PRIOLLI, Maria Luisa de Mattos. Princípios Básicos da Música para a Juventude. Rio de Janeiro: Casa Oliveira, 2006.

SÁ, Pedro Paiva Garcia. A Sistematização da Escrita para os Instrumentos Populares Brasileiros com Som de Altura Indeterminada de Luiz D`Anunciação: conceitos e análise de quatro obras. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2009.

SCARASSATTI, Marco. Walter Smetak: o alquimista dos sons. São Paulo: Perspectiva: Edições SESC SP, 2008.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Unesp, 2011.

SMETAK, Walter. O retorno ao futuro, ao espírito. Salvador: Associação dos Amigos de Smetak, 1982.

STASI, Carlos. O instrumento do “Diabo”: música, imaginação e marginalidade. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

WINCKEL, Fritz. Music, sound and sensation: a modern exposition. Courier Corporation, 2014.

WISNIK, José Miguel. O Som e o Sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.